quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Por vezes sentimos que a terra treme debaixo dos nossos pés, mas...

Por vezes sentimos que a terra treme debaixo dos nossos pés, mas...afinal não passa de uma pequena ventania...

Hoje no hospital, em frente ao elevador, de onde sairia a minha mãe depois de uma operação...

As horas passam e nada...
Espreito a sala de estar, a que tem televisão, e sorriu, um grupo de homens que estão ali internados vibram com o futebol que está a dar na SIC...
Ok, penso eu, que bom, ver pessoas, que apesar de estarem internadas ainda têm este espírito...

As horas passam e nada...
Já não consigo concentrar-me na leitura...
Já não consigo concentrar-me no Sudoku...

As horas passam e nada...
Os nervos começam a ser maiores...
Lembro-me da última vez que a minha mãe foi operada...era muito pequena...lembro-me de o meu pai e os meus avós estarem bastante preocupados...mas eu nem perguntava o que se passava...
Hoje estou eu e o meu pai...ali...já nenhum fala...

As horas passam e nada...
De repente um senhor, visita de alguém, entra na sala de estar que não tem televisor, desata aos pontapés ao sofá e chora desalmadamente...
Olho para o meu pai... não falamos...não é necessário...ambos entendemos o pensamento um do outro...afinal a operação da minha mãe não é assim tão grave... se calhar até tem alta amanhã...
respiramos de alivio, de não sermos ninguém chegado aquele senhor... entendemo-lo bem...já passámos por isso, mas naquele momento, mais uma vez, somos egoístas... não quero conhecer aquele senhor, não quero ser amiga dele...para não ter de sofrer... É péssimo pensar assim, mas é assim que me sinto...

As horas passam e nada...
Uma enfermeira avisa que a minha mãe já entrou no recobro, mas que vai demorar até chegar à enfermaria...
Olho para ela, cansada... Ela lê-me os pensamentos e pergunta-me se, excepcionalmente, eu não quero ir ao piso do bloco operatório para lhe dar um beijo...
Naquele momento o contraste naquele corredor era enorme, eu com um sorriso enorme a dizer que sim e o tal senhor, agora sentado... a soluçar...

Agora em casa, não consigo deixar de pensar no homem que sofria...que notícia lhe teriam dado...
A minha mãe está bem...
Vamos ver a recuperação...
Por vezes sentimos que a terra treme debaixo dos nossos pés, mas...afinal não passa de uma pequena ventania... comparando com outros casos...

6 comentários:

GE disse...

É verdade, o que me custa ir aos hospitais é precisamente ver o sofrimento alheio.... custa me mm mto!

Já recebi o teu e-mail, só agora o cosegui ler, acreditas!! Já te respondo :))

Bjinhos

María, Peste&Borboleta disse...

Agora fiquei a pensar no senhor e no quanto precisaria de um abraço...estava sózinho num momento daqueles?

Continuação de boa recuperação para a tua Mãe :) Ainda bem que correu bem!

Bjnhos grandes

Docinho disse...

Até eu tremi... as melhoras da mãe e que não passemos em breve pela dor da perda!!!
Pensamento positivo!

beijos carinhosos

Nostálgica disse...

E nos hospitais sente-se mesmo esse sofrimento.. Ás vezes deviamos conseguir relativizar as coisas.
As melhoras da mãe...
um bjnho.

Mãezana disse...

puxa...que grande angustia!
Um grande beijo e boas melhoras...

Kelly disse...

A tua mãe está bem? Espero que sim.. Infelizmente os hospitais estão cheios de histórias felizes, nascimentos, recuperações, mas tb há o outro lado negro da dor e da perda...